Feeds:
Posts
Comentários

E-mail para o blog

Reproduzimos abaixo e-mail enviado hoje para este blog e aproveitamos para colocar este espaço sempre à disposição dos quase 50 mil segurados do Pabss para sugestões, dúvidas e críticas.

Agradecemos à segurada pela mensagem, já devidamente encaminhada ao presidente, e frisamos que atender bem e com resolutividade é a tarefa desse Instituto.

“Senhor Presidente do Ipamb,

Na qualidade de servidora inativa do Município de Belém, matrícula nº xxxxxx, segurada do Plano de Assistência Básica à Saúde e Social/PABSS, venho respeitosamente perante Vossa Senhoria agradecer pela forma eficiente e carinhosa como recebi atendimento médico de urgência nesse Instituto no dia 03 do mês em curso, em razão de uma forte crise hipertensiva.

Aproveito o ensejo para agradecer e elogiar, também, toda equipe que estava de plantão do Posto de Atendimento/PA desse Instituto no dia 03.02.2010, assim como o Serviço de Cardiologia, compostos dos seguintes profissionais:

Dra. Marilia Barbosa Sassim Rodrigues (médica)

Dr. Mario Ernesto (médico)

Dr. Franklin Albuquerque (médico)

Sra. Graça Furtado (atendente de consultório)

Sra. Dulcinéa Mender (técnica de enfermagem)

Sra. Rosa Loureiro (técnica de enfermagem)

Sra. Roseane Corrêa (técnica de enfermagem)

Belém, 04 de fevereiro de 2010

Joana de Abreu Lisboa Agrassar”

Pagamentos 2010

Novo medicamento é visto como uma das maiores descobertas contra a doença em 40 anos; teste em humanos poderá ser feito no Brasil

Por Marcelo Osakabe

Da PrimaPagina

Um novo medicamento para o tratamento da doença de Chagas começará a ser testado em seres humanos a partir deste ano. Chamada Ravuconazol, a droga até agora mostrou bastante eficácia em impedir a multiplicação e invasão das células pelo protozoário Trypanosoma cruzi, causador da enfermidade. Segundo Tânia Araújo Jorge, pesquisadora e diretora do Instituto Oswaldo Cruz, esta é uma das novidades mais promissoras no tratamento contra a doença, que mata cerca de 11 mil pessoas por ano segundo a OMS, mais do que a malária.

No Brasil, foram 5.023 mortes em 2008, de acordo com dados preliminares do Ministério da Saúde — mais que malária e tuberculose, por exemplo. “De todos os medicamentos em fase pré-clinicas, esse é um dos melhores”, afirma Tânia. O motivo do otimismo está no fato de o Ravuconazol ter se mostrado eficaz no segundo estágio da doença, a chamada fase crônica. Os outros dois medicamentos existentes, descobertos há mais de 30 anos, não são muito eficientes nesse estágio, sendo mais aconselhados para a primeira fase da doença. O problema é que apenas 1% das pessoas apresentam sintomas na primeira fase, o que dificulta o tratamento. Além disso, a nova droga mostrou ser efetiva contra todas as cepas do parasita — ao contrário dos outros —, além de ser bem menos invasivo ao organismo humano. Atualmente, só há um medicamento que age na fase crônica, e ele causa muitos efeitos colaterais, como enjoo, alergia e problemas na medula óssea.

O Ravuconazol é um medicamento desenvolvido pela farmacêutica Eisai. A indústria japonesa fez uma parceria com a DNDi (Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas, na sigla em inglês) e cedeu para a entidade o direito de conduzir testes em seres humanos. Segundo o coordenador de comunicação da DNDi no Brasil, Flávio Guilherme Pontes, a Iniciativa está contatando centros de pesquisas nos 21 países da América Latina onde a doença é endêmica para começar os testes. A expectativa é de que até o meio do ano eles já tenham começado; há possibilidade de que o Instituto Oswaldo Cruz participe dos testes. “Os testes costumam durar cerca de dois anos. Não se tem uma data certa para finalização dos testes, mas acredita-se que até 2014 o medicamento já esteja disponível para uso para todos os países endêmicos”, diz. O remédio então deverá ser vendido a preço de custo para governos e ONGs que trabalham com a doença.

A DNDi é uma iniciativa de pesquisa e desenvolvimento de medicamentos fundada em 2003, envolvendo sete entidades: Fundação Oswaldo Cruz do Brasil, Conselho Indiano de Pesquisa Médica, Instituto de Pesquisa Médica do Quênia, Ministério da Saúde da Malásia, Instituto Pasteur da França, Médicos sem Fronteiras (MSF) e Programa Especial para Pesquisa e Treinamento em Doenças Tropicais (TDR), da ONU.

A doença de Chagas, assim como a malária e a leishmaniose, é considerada pela organização como uma doença negligenciada pelo fato de não ter tratamento adequado e estar presente quase que exclusivamente em países pobres. No entanto, esse aspecto está mudando. Com a migração, outros países estão registrando casos, como Japão, Espanha e Estados Unidos.

Com este tema o Ipamb entra com tudo no Carnaval 2010. Na sexta-feira, 12, no subsolo do Instituto, profissionais do Programa Saúde do Trabalhador vão promover a Campanha de Prevenção Carnaval 2010 distribuindo camisinhas e dando orientações sobre como aproveitar a folia com responsabilidade e garantindo proteção à saúde.

Na próxima sexta-feira, 12, a partir das 11h30, será promovida a palestra “Sexualidade na 3ª idade”, no auditòrio do Ipamb. Todos os servidores da Prefeitura de Belém são convidados. A iniciativa é parte do projeto “Qualidade de vida”, executado pelo Departamento de Assistência à Saúde do Instituto.

Mais informações: 3084-1311.

Licença médica tem nova regulamentação com o Decreto Nº 61.618, de 2 de outubro de 2009

Por Lílian Leitão, do Núcleo de Comunicação do Ipamb

Os servidores municipais de Belém devem ficar atentos às novas regras determinadas para licença médica determinadas pelo Decreto Nº 61.618, de 2 de outubro de 2009. A justificativa de faltas ao serviço por motivo de doença deve seguir o trâmite a seguir:

Atestados de servidor:

Afastamento de até 3 dias por mês – O servidor deverá apresentar o atestado médico diretamente para a chefia imediata no prazo máximo de 72 horas.

Afastamento de 4 a 60 dias, com apresentação de atestados/laudos médicos – O servidor deverá procurar o Programa de Saúde do Trabalhador do Ipamb (PST) para a homologação do documento no prazo máximo de 72 horas.

Atenção – Em caso de atestados emitidos por médico externo, ou seja, que não foram emitidos por médico do Ipamb, o servidor deverá trazer o atestado original e uma cópia.

Afastamento por mais de 60 dias – O servidor será encaminhado à perícia médica do Ipamb.

Atestados de acompanhante:

Afastamento de até 3 dias por mês – O servidor deverá apresentar o atestado médico diretamente para a chefia imediata.

Afastamento de 4 a 60 dias, com apresentação de atestados/laudos médicos – O servidor deverá procurar o Programa de Saúde do Trabalhador do Ipamb (PST) para a homologação do documento.

Declaração de comparecimento – A declaração de comparecimento deverá ser emitida por médico e/ou chefias autorizadas do Departamento de Assistência à Saúde (Deas) do Ipamb e técnicos do PST e da Divisão Psicossocial (Dips), do Ipamb. O documento deve ser entregue no mesmo dia à chefia imediata, como justificativa de entrada com atraso ou saída antecipada , devendo, assim, o servidor retornar ao local de trabalho.

Servidores temporários:

Afastamento de até 3 dias – O servidor deverá apresentar o atestado médico diretamente para a chefia imediata no prazo máximo de 72 horas.

Afastamento de 4 a 15 dias – O servidor deverá procurar o Programa de Saúde do Trabalhador do Ipamb (PST) para a homologação do documento.

Afastamento a partir de 16 dias – O servidor deverá comunicar à chefia imediata o período de afastamento e apresentar o atestado/laudo médico à perícia médica do Ipamb.

Servidores contratados:

Atenção – Nos 15 primeiros dias de afastamento do trabalho a Prefeitura de Belém é responsável pelo pagamento salarial. A partir do 16º dia o responsável é o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Mais informações no PST/Ipamb: 3084-1388 e 3084-1329.

Descoberta abre caminho para droga eficaz mesmo após mutações virais. Pesquisa alemã foi apresentada na revista ‘Nature’.

Da Agência Estado

Um grupo de cientistas alemães mapeou os genes humanos relacionados com o processo de replicação do vírus da gripe, revela pesquisa divulgada na edição mais recente da revista “Nature”. A descoberta abre caminho para uma nova geração de drogas antivirais que, em vez de agir nos mecanismos de reprodução do vírus, atua nas células humanas.

Isso, em tese, faria com que o medicamento continuasse eficaz apesar das mutações virais. A técnica também traz esperança de tratamento para outras infecções, como a Aids. As informações são da repórter Karina Toledo, do jornal “O Estado de S. Paulo”.

O objetivo dos cientistas foi identificar quais genes existentes nas células do pulmão são usados pelo vírus influenza A – principal responsável pelas epidemias de gripe – para se reproduzir. Para isso, eles utilizaram uma metodologia chamada RNA de interferência, que permite silenciar genes específicos.

“Injetamos o material genético do vírus em culturas de células do pulmão e fomos silenciando um a um os mais de 22 mil genes que formam o genoma humano para descobrir quais são importantes para a replicação viral”, explica Thomas Meyer, um dos autores do estudo. “Identificamos 287 genes cruciais para o processo. Desses, 168 puderam ser silenciados temporariamente sem comprometer o funcionamento das células”.

Dos 168 genes, 47 estão ligados à replicação do subtipo viral H1N1 endêmico (causador da gripe espanhola de 1918), 49 ao subtipo H1N1 pandêmico (variação que causa a gripe suína) e 72 aos dois subtipos. Vários genes também se mostraram importantes para a replicação do subtipo H5N1, causador da gripe aviária e altamente patogênico.

O próximo passo da pesquisa é realizar testes em modelos animais para verificar se o silenciamento temporário desses genes é, de fato, seguro para o organismo. “Pretendemos ainda estender a pesquisa para outras infecções virais”, conta Meyer.

Promessa

Caso a técnica se mostre segura, será possível desenvolver novos medicamentos antivirais que atuem diretamente nos genes humanos essenciais à replicação do vírus. As drogas existentes atualmente têm como alvo o próprio vírus e se tornam obsoletas quando ocorre uma mutação.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.